Dieta e o cancro colorretal: o que nos diz um estudo do Reino Unido com meio milhão de participantes

 
Foi em 2015 que a Organização Mundial da Saúde classificou a carne processada como carcinogénica (grupo 1) e a carne vermelha como provavelmente carcinogénica (Grupo 2A).
 
Esta semana, foram publicados os resultados do estudo UK Biobank, um estudo de coorte prospetivo com meio milhão de participantes recrutados no Reino Unido entre 2006 e 2010. Foi recolhida a informação sobre os hábitos alimentares e sobre a prevalência e incidência de cancro colorretal nesta população.

 
Os participantes que consumiram carnes vermelhas e processadas mais de 4 vezes por semana apresentaram uma incidência de cancro colorretal 20% maior, comparativamente com os participantes com o consumo mais baixo. Estes participantes consumiram, em média, 76g/dia destes alimentos.
 
Olhando apenas para as carnes vermelhas, quem as consumiu de mais de 3 vezes por semana (média 54g/dia) teve um risco 15% maior; e no caso das carnes processadas, o consumo mais de 2 vezes por semana (média 29g/dia) esteve associado a um risco 19% maior.
 
O aumento de apenas 25g de carne processada por dia esteve associado a 19% maior risco de cancro colorretal. No caso da carne vermelha, o aumento de apenas 50g por dia esteve associado a 18% maior risco deste tipo de cancro.
 
O consumo de álcool também esteve associado a um maior risco deste tipo de cancro. Os indivíduos que consumiram mais do que 16g/dia apresentaram 24% maior risco, comparativamente com quem consumiu menos do que 1g/dia. Das bebidas alcoólicas, a cerveja foi a bebida associada a um maior aumento de risco.
 
O consumo de fibra (de alimentos como o pão e cereais) mostrou estar associado a um risco de cancro colorretal 14% menor.
 
Resumindo: neste estudo, o consumo de carnes vermelhas e processadas e de álcool esteve associado a um maior risco de cancro colorretal. A fibra (do pão e cereais) esteve associada a um menor risco.
As recomendações atuais do Reino Unido são de limitar o consumo de carnes vermelhas e processadas a não mais de 90 g/dia. No entanto, neste trabalho, mostrou-se que as pessoas que mais consumiam estes alimentos cumpriam estas recomendações (76 g/dia) mas ainda assim apresentaram um risco 20% maior de cancro colorretal.
 
Desta forma, é importante rever as recomendações sobre o consumo destes alimentos.
 
Estes resultados vêm de encontro ao que foi recomendado no relatório da comissão EAT Lancet sobre o consumo de carnes vermelhas e processadas. Há um artigo no site sobre este relatório também:
Sandra

One thought on “Dieta e o cancro colorretal: o que nos diz um estudo do Reino Unido com meio milhão de participantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *