Palestra: Alimentação Vegetariana em Idade Escolar

 apnep 12-04-2016_

Foi perante uma plateia (bem) cheia que hoje participei numa mesa sobre Alimentação Vegetariana, incluída no XVIII Congresso Nacional da APNEP, com uma palestra intitulada “Orientações nutricionais para alimentação vegetariana em idade escolar”.

Segue-se o resumo da palestra, assim como as fotos e um pequeno vídeo da parte inicial da palestra:

“A infância e a adolescência são períodos de um rápido crescimento físico e desenvolvimento cognitivo e de aquisição de competências sociais e comportamentais. Durante estes períodos, é necessária uma ingestão alimentar apropriada para cada grupo etário de forma a assegurar um crescimento adequado e um bom estado de saúde. A aquisição de hábitos alimentares saudáveis, nesta fase, poderá assegurar que estes perdurem ao longo do ciclo de vida.

À semelhança de outros padrões alimentares, o padrão vegetariano, quando bem planeado pode fornecer todas as necessidades nutricionais de crianças e adolescentes. O aporte energético deverá ser adequado a cada idade e o crescimento monitorizado. Deve ser dada particular atenção à ingestão proteica, de ácidos gordos essenciais, ferro, zinco, cálcio, iodo e vitaminas B12 e D. A ingestão de alimentos fortificados e/ou a suplementação, em alguns casos, poderá ser necessária.

received_10204620186023845_

De modo a estruturar uma alimentação adequada para crianças e adolescentes que seguem um padrão alimentar vegetariano é importante ter em consideração os seguintes aspetos:

A alimentação deverá ser completa, equilibrada e variada. Alimentos como cereais, hortícolas, fruta, leguminosas, frutos gordos, sementes e os seus derivados deverão estar contemplados no dia alimentar do padrão vegetariano. Deve ser assegurada uma ingestão energética adequada. A inclusão de alimentos energeticamente densos como leguminosas e seus derivados, frutos gordos e cremes de frutos gordos poderá ser vantajosa.

Para que as necessidades proteicas sejam atingidas e ocorra uma normal retenção de azoto, é essencial que a ingestão energética seja adequada e exista variedade nos alimentos ingeridos, nomeadamente alimentos ricos em proteína, como as leguminosas, pseudocereais, cereais integrais, laticínios (ou alternativas vegetais) e ovos.

A combinação de fontes proteicas de diferentes grupos de alimentos como frutos gordos, sementes, cereais e leguminosas deve ser encorajada. No entanto, a combinação dos mesmos na mesma refeição acredita-se não ser necessária.

É essencial assegurar que boas fontes de ferro sejam incluídas na alimentação devido à menor biodisponibilidade deste mineral nos produtos de origem vegetal e ao aumento das suas necessidades na infância, especialmente durante períodos de crescimento rápido. O consumo de alimentos ricos em vitamina C, conjuntamente com refeições ricas em ferro, promove a sua absorção.

received_10204620185623835_

Deve-se assegurar o consumo de alimentos bons fornecedores em zinco, tais como cereais integrais, leguminosas, frutos gordos, sementes e laticínios.

É essencial garantir uma ingestão adequada de alimentos bons fornecedores ou fortificados em cálcio, tais como hortícolas de cor verde escura, laticínios ou alternativas vegetais, soja e seus derivados e restantes leguminosas.

A existência de fontes adequadas de ácidos gordos essenciais das séries n-6 e n-3 é de extrema importância nas dietas de crianças e adolescentes com padrões alimentares vegetarianos e poderá ser necessária a sua suplementação, caso a ingestão seja insuficiente.

Uma ingestão adequada de alimentos fortificados em vitamina B12 ou a utilização de suplementos é recomendada para crianças e adolescentes com padrões alimentares vegetarianos, uma vez que não existem naturalmente em produtos de origem vegetal. Em alguns casos, os alimentos fortificados, poderão não ser suficientes para fornecer as necessidades de vitamina B12, podendo-se recorrer à suplementação.

Crianças e adolescentes que não consomem alimentos fortificados em vitamina D ou têm uma exposição solar limitada, devem recorrer à suplementação nesta vitamina.

Num padrão alimentar vegetariano, particularmente no vegano, a ingestão de sal iodado ou de outras fontes de iodo, como as algas, está recomendada.

A ingestão de fibra deve ser monitorizada já que em excesso poderá comprometer um aporte energético adequado e poderá interferir com a biodisponibilidade de alguns minerais essenciais.

Os profissionais de saúde, em particular, deverão ser capazes de orientar adequadamente as famílias que optam por este modelo alimentar, informando sobre as suas vantagens e potenciais riscos, caso a caso, e depois, acompanhar e poder dar aconselhamento nutricional e alimentar de qualidade em função das opções tomadas.”

  • Resumo da palestra publicado na Revista da Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica, Volume X, Número 1, abril de 2016.
  • Crédito fotografia inicial: APNEP

2 thoughts on “Palestra: Alimentação Vegetariana em Idade Escolar

  1. Parabéns!
    Atualmente muitos blogs têm falado em demolhar frutos oleaginosos e sementes para que diminua o seu teor de fitatos (tal como normalmente se faz com as leguminosas). Esta prática tem fundamento? Obrigada

    1. Olá Catarina!
      Obrigada 🙂

      Os frutos gordos podem ser consumidos “ao natural”, no entanto, para a elaboração de algumas receitas estes devem ser demolhados, nomeadamente para preparar bebidas vegetais ou queijos vegetais.
      A demolha é particularmente importante nas leguminosas e alguns cereais/grãos, para a diminuição do fitato.
      No caso dos frutos gordos e sementes não vejo essa necessidade, nem tenho conhecimento dessa recomendação (a exceção serão as sementes de chia que podem ser hidratadas). No entanto, não vejo contra-indicação em fazê-lo.

      Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *